ACESSO FÁCIL
Pesquisar
Close this search box.

Ações preventivas reduzem grandes queimadas e outros crimes ambientais em MS

Mato Grosso do Sul registrou uma queda no registro de casos de grandes queimadas nas áreas verdes de Mato Grosso do Sul entre os anos de 2021 e 2022, reflexo do trabalho de prevenção e conscientização realizado pelo Governo do Estado no período. A redução abrupta pode ser constatada nos números divulgados pela PMA (Polícia Milita Ambiental).

Braço da Polícia Militar que trabalha na prevenção de crimes ambientais e fiscalização do setor, a corporação aplicou durante o ano passado 1.038 autos de infração, somando R$ 23,6 milhões em multas ambientais nesse período.

Comparando 2022 a 2021, houve redução do total de autuações e significativa queda no valor das multas – a diminuição chegou a 56%, já que no ano retrasado as multas somaram R$ 53,2 milhões, em um total de 1.265 autuações.

“O valor de multas depende muito dos tipos de infrações. Como, por exemplo, no caso de poluição. As multas aplicadas podem ser de R$ 5 mil e chegar a R$ 50 milhões, dependendo do grau de danos causados e avaliados pelos policiais no momento da autuação”, explica o tenente-coronel Ednilson Queiroz.

Incêndios florestais tiveram drástica redução em 2022 em Mato Grosso do Sul com ação do Governo do Estado (Foto: PMA)

Comandante da PMA, Queiroz também frisa que os valores maiores em 2021 devem-se às várias infrações de grandes áreas queimadas, com valores de multas muitos altos, as quais foram reduzidas em 2022, ano em que a PMA colocou em ação da Operação Prolepse, que preveniu incêndios urbanos e rurais.

“Quando se comparam 2022 a 2020, os valores foram semelhantes”, comenta, indicando que em 2021 houve duas multas referentes a grandes incêndios florestais que somaram aproximadamente R$ 38 milhões, elevando os valores daquele ano.

Predominam entre as infrações crimes contra a flora, relativos à pesca, poluição do ambiente e fauna – as demais infrações são referentes ao transporte irregular de produtos perigosos, contra o ordenamento urbano e a administração ambiental.

Aliado a esse trabalho de campo, o Governo do Estado se mobilizou para prevenir os incêndios, incluindo desde estudos específicos do Cemtec (Centro de Monitoramento do Tempo e do Clima) para prever os períodos de maior probabilidade de surgimento de mais focos, até o investimento em equipamentos e recursos humanos necessários.

Com uso até de aviões, foi possível que as equipes do Corpo de Bombeiros e demais instituições envolvidas no trabalho florestal combatessem as chamas, evitando o alastramento delas. A redução de áreas afetas no Cerrado foi de 83% no período crítico de seca, enquanto no Pantanal foi de 61%, comparando ao mesmo período em 2021.

Texto e fotos: PMA

COMPARTILHE AGORA MESMO