ACESSO FÁCIL
Pesquisar
Close this search box.

Em meio a pandemia, 1,9 milhão de eleitores vão às urnas em Mato Grosso do Sul

Práticas de biossegurança para evitar o contágio e combate às notícias falsas são os maiores desafios

Eduardo Miranda*

Em um ano atípico, em que o mundo passou a enfrentar uma pandemia de Covid-19, como atualização, que no auge do contágio chegou a ser colocadas em jogo, finalmente acontecerão neste domingo (15), em uma situação, porém, totalmente nova para os eleitores brasileiros. Em Mato Grosso do Sul, 1.932.293 eleitores estão aptos a votar nos 79 municípios e eles devem ser incluídos nas medidas de biossegurança como o distanciamento físico e a higienização constante das mãos. Em Campo Grande, são 612.487 eleitores.

O primeiro turno das mudanças, que deveria ter ocorrido em 4 de outubro e foi adiado para este dia 15, ocorrerá desde que eleitores e mesários cumprem várias obrigações, como evitar ao máximo o contato com objetos e entre pessoas. Durante a votação, o uso de máscara será obrigatório, podendo o presidente da seção impedir o eleitor de entrada no recinto se ele não estiver usando o acessório de proteção.  

Além das medidas de biossegurança, que aprendemos adiante, como acontecem em meio a uma cruzada da Justiça Eleitoral contra as notícias falsas, algumas que lançam suspeitas contra o próprio sistema brasileiro de votação, e também em um momento em que as urnas eletrônicas brasileiras são exaltadas mundo afora, por causa de sua rapidez na contagem dos votos e da segurança oferecida no processo de votação.  

Em Mato Grosso do Sul, os eleitores terão a opção de escolher um dos 290 candidatos a prefeito e um entre os 8.071 candidatos a vereador. Um total de 419 candidatos para estes duas cargas estão em busca da reeleição.  

 

BIOSSEGURANÇA

Por causa da pandemia de Covid-19, a votação neste domingo (15) será diferente. Os locais de votação para abrir mais cedo, às 7h, e ficarão disponíveis para os eleitores votarem até às 17h.

A Justiça Eleitoral orienta que os eleitores idosos, com idade acima de 60 anos, votem entre as 7h e as 10h. Os eleitores de outras faixas etárias também votaram neste horário, porém, ressalta a ressalva de que a preferência sempre será dos mais idosos.  

As medidas de biossegurança também encorajam os eleitores que não são obrigados a votar, sobretudo os idosos com mais de 70 anos (adolescentes com idade entre 16 e 18 anos também não são obrigados) a comparecerem.  

“O Tribunal Superior Eleitoral nos orientou em um protocolo de segurança contra a pandemia e ele será aplicado em todas as eleitorais. Cumprido este protocolo, não teremos qualquer risco à saúde dos eleitores ”, explica o presidente do Tribunal Regional Eleitoral, desembargador João Maria Lós.  

“Nossas recomendações são: uso obrigatório de máscara, distanciamento social na fila para votação, levar um título de eleitor e documento de identidade, levar a cola, primeiro com o número do vereador e depois do prefeito, e levar o álcool em gel. Acredito que nós vamos ter uma eleição tranquila, que vai se desenvolver naturalmente ”, acrescentou o presidente do TRE.  

A Justiça Eleitoral também recomenda que os eleitores fiquem atentos às mudanças nos locais de votação: confira a lista abaixo. Outra recomendação, para reduzir o contato com mesários, é que o eleitor baixe o aplicativo e-título. Ele valerá, inclusive, como documento de identificação para poder votar neste domingo. 

SEGURANÇA

Além da biossegurança, a segurança dos eleitores também está no planejamento estratégico destas vantagens. Para isso, em sete municípios de Mato Grosso do Sul o Exército vai atuar, e em outros dois, no sul do Estado, a Força Nacional de Segurança Pública.  

A maioria do contingente responsável pela segurança no processo de votação, porém, virá das polícias Civil, Militar, Federal e Rodoviária Federal. A Polícia Federal, por exemplo, fiscalizará os locais de votação para coibir crimes eleitorais, como compra de votos, nas seis cidades em que tem delegacia: Campo Grande, Corumbá, Três Lagoas, Dourados, Ponta Porã e Naviraí.  

Já a Secretaria de Estado de Justiça e Segurança Pública (Sejusp) disponibilizou um efetivo de 4,5 mil servidores, que integram painéis como Polícia Militar, Corpo de Bombeiros, Departamento de Operações de Fronteira (DOF), Polícia Civil, Superintendência de Inteligência e Coordenadoria Geral de Perícias.  

 

NOTÍCIAS FALSAS

Em meio ao esforço da Justiça Eleitoral para combater as notícias falsas, ela mesma tem sido a maior vítima de notícias falsas nesta retomada final de campanha. Disparos em massa nas redes sociais questionam a segurança das urnas eletrônicas, todos eles sem prova alguma, conforme checado por agências independentes, como a Comprova, da qual o Correio do Estado é integrante.  

A contagem de votos mais lenta nos Estados Unidos, as dúvidas que o presidente Donald Trump, derrotado em sua tentativa de reeleição, sobre a supostas fraudes e a ressonância que Jair Bolsonaro e vários de seus seguidores dão a este discurso, com o questionamento constante do sistema eleitoral brasileiro, têm dado trabalho aos servidores do Judiciário e ao Tribunal Superior Eleitoral.  

“O processo eletrônico de votação possui mecanismos que garantem a sua segurança. Por exemplo, em termos de tecnologia, temos a assinatura digital dos programas e o resumo digital, que são códigos verificadores dos programas ”, explica João Maria Lós.

“Durante toda a sua preparação até o momento da votação, a urna passa por uma série de testes e auditórios, todos eles públicos, transparentes e origem às autoridades envolvidas no processo, candidatos, partidos políticos e toda a sociedade, que podem acompanhar a lisura do processo ”, complementa.

Lós finaliza ressaltando que nunca houve nenhum indício de falhas ou fraudes no sistema eleitoral eletrônico. “Além disso, até hoje não foram encontradas falhas na urna eletrônica que comprometem a segurança do processo eleitoral”.

O presidente do TRE também destaca que qualquer cidadão tem acesso aos boletins de urna na seção eleitoral antes de iniciar a votação – a zerésima, que comprova que não há votos na urna – e depois, quando os votos aos candidatos são detalhados.

COMPARTILHE AGORA MESMO