Ex-agente antidrogas do Paraguai é executado a tiros de fuzil na frente da namorada na fronteira com Brasil

Por Flávio Dias, G1MS — Campo Grande.

Ex-agente antidrogas do Paraguai é executado, em Pedro Juan Caballero. — Foto: Dourados Agora

Ex-agente antidrogas do Paraguai é executado, em Pedro Juan Caballero. — Foto: Dourados Agora

Um ex-agente da Secretaria Nacional de Antidrogas do Paraguai foi executado com tiros de fuzil na tarde do último sábado (12), em Pedro Juan Caballero, cidade paraguaia que faz fronteira com Ponta Porã, em Mato Grosso do Sul.

Pedro Juan Caballero faz fronteira seca com o Brasil. Há apenas uma avenida que a separa da cidade brasileira de Ponta Porã. A região é conhecida como área de disputa de facções criminosas pelo controle do tráfico de drogas.

Segundo a Polícia Nacional do país vizinho, a vítima foi morta na frente da namorada. Os dois tinham acabado de sair do veículo que estava estacionado próximo de uma padaria, a seis quadras da linha internacional.

Conforme a ocorrência policial, não há informações sobre os atiradores e a polícia investiga o caso.

Mais quatro execuções

No último domingo (13) dois casais foram executados em um intervalo de menos de 24 horas neste , em Dourados e em Ponta Porã, ambas no sul de Mato Grosso do Sul. Segundo a polícia, nos dois crimes, foram cerca de 117 disparos de fuzil e pistola.

O primeiro crime foi durante a madrugada, na cidade de Ponta Porã. De acordo com a ocorrência policial, Wellington Bruno Alves, de 27 anos, e Daiane Dias Constanci, de 26, estavam dentro de um carro quando foram abordadas pelos atiradores. Até a publicação desta reportagem nenhum suspeito havia sido identificado.

O segundo duplo homicídio foi no período da noite. Uma homem de 33 anos e a mulher dele, de 30 anos, foram executados, em Dourados, a 120 km de Ponta Porã. O autor foi preso e confessou o duplo homicídio na tarde desta segunda-feira (14) pela Polícia Civil de Dourados, que confirmou a prisão. Com ele, foram apreendidas quatro armas de fogo. Outras duas pessoas foram presas por porte ilegal de armas.