ACESSO FÁCIL
Pesquisar
Close this search box.

Retirada de pets de pátio de escola gera protestos da comunidade

Orientação para retirada de animais foi repassada pela Coordenadoria Regional de Educação de Ponta Porã

Nesta segunda-feira pela manhã educadores e a comunidade escolar da Escola Estadual Miguel Marcondes Armando demonstraram total insatisfação com uma orientação repassada pelo professor Ronaldo Caccia, responsável pela Coordenadoria Regional de Educação – CRE-11 – de Ponta Porã, através da qual determina a retirada de animais que por ventura estejam no pátio da unidade escolar.

Ocorre que há mais de três anos a comunidade da Escola Miguel Marcondes cuida de dois gatinhos que vivem no pátio da escola. Os animais são castrados, vacinados e recebem alimentação, além de atenção e todos os cuidados necessários. Se transformaram em mascotes da escola que é uma das maiores da rede estadual na região de fronteira. A orientação para a retirada dos gatinhos teria sido tomada com base no Regulamento Técnico de Boas Práticas para Serviços de Alimentação, da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).

Acontece que os animais segundo a comunidade escolar e a própria direção da escola não incomodam e vivem apenas no pátio da escola. “Os gatinhos são doceis, não entram no setor de manipulação de alimentos e a nossa cozinha é fechada, portanto eles não oferecem nenhum tipo de risco”, disse a professora Márcia Regina Montani.

O diretor da Escola Miguel Marcondes, Paulo Henrique Retamozo Marques, disse que os dois gatinhos permanecem o tempo todo no pátio, não tendo nenhum tipo de contato com o setor de preparação de alimentos. Ressaltou também que as crianças e os professores adoram os dois animais. “Atualmente nós temos 110 professores, além de servidores administrativos, alunos, pais de alunos e se pesquisar 99% são favoráveis a permanência dos gatinhos no pátio da escola”, disse.

Diante da situação, o presidente da Câmara Municipal, Agnaldo Miudinho, juntamente com os vereadores Thiago Vedana e Fabrício de Souza, estiveram na escola Miguel Marcondes, onde mantiveram reunião

com a direção. “Pelo que ouvimos das pessoas são dois pequenos animais, doceis, vacinados, castrados e que não apresentam qualquer risco a integridade física das crianças que ali estudam, ao contrário, as crianças tem apego aos animais e tratam os gatinhos como mascotes da escola”, disse Agnaldo Miudinho.

O presidente da Câmara também ressaltou que o regulamento da Anvisa ao qual está baseada a orientação da Coordenadoria Regional de Educação é exclusiva para local de serviços de alimentação. “Não existe nenhum impedimento para que os animais de estimação permaneçam no pátio da escola, até porque a retirada causaria tristeza nas crianças que criaram vínculo afetivo com os animais”, disse Agnaldo Miudinho, acrescentando que nesta terça-feira, dia 21 de maio, será apreciado um Projeto de Lei na Câmara Municipal, através do qual constará permissão para permanência de animais de estimação no pátio das escolas.

Legenda:

Reunião para discutir situação dos pets ocorreu na manhã desta segunda-feira na Escola Miguel Marcondes – Foto: Dorgeval Amaro

COMPARTILHE AGORA MESMO