Dagoberto Nogueira se posiciona contra a PEC da Impunidade e recebe reivindicação do movimento de mulheres do seu partido

Câmara deve votar nesta sexta a PEC que muda regras da imunidade parlamentar

Karina Villas Boas*

A Câmara dos Deputados está debatendo a proposta de emenda à Constituição (PEC) que cria novas regras para a imunidade parlamentar e para a prisão de deputados e senadores. O deputado federal, Dagoberto Nogueira, que também é advogado, se manifestou totalmente contrário a ação em suas redes sociais, desde quando o debate iniciou.

Segundo ele isso só favorece um corporativismo desnecessário para o Congresso Nacional. “Como deputado, advogado, não posso ser favorável à PEC, pois isso é apreciação às pressas. Jamais poderíamos aceitar um corporativismo legislativo. Corrupção é corrupção e pronto! Fomos eleitos para sermos representantes do povo e não imunes as leis”, disse ele.

Nesta sexta-feira pela manhã, o parlamentar, recebeu cerca de trinta mulheres do PDT (Partido Democrático Trabalhista) e da sociedade civil organizada, que pediram para o parlamentar manter a postura de dizer não a referida proposta.

De acordo com Kelly Cristina, secretária de movimentos sociais do PDT, um partido progressista não pode ser favorável a tamanha barbaridade e aceitar que se fira a Constituição Brasileira desta forma. “Viemos aqui hoje enfatizar nosso posicionamento ao nosso deputado, pois ele é nosso representante na Casa de Leis. Nós mulheres, mães, trabalhadoras, que estamos sujeitas a legislação vigente não aceitamos imunidade, que na verdade se resulta em impunidade, já vimos muitas barbaridades no Congresso com este atual desgoverno e precisamos reagir sempre que necessário”, ressalta a dirigente.

O deputado finalizou dizendo que a voz das mulheres do seu partido e do movimento social é a mesma das ruas do país todo. “Recebi inúmeras manifestações dos sul-mato-grossenses me pedindo que eu me posicionasse nas redes e na votação, pois assim como eu o povo está cansado destas votações relâmpagos e absurdas. Não se aprova o fim do foro privilegiado, que estamos há anos tentando, mas uma PEC dessa é apresentada relâmpago? Jamais apoiaria algo dessa forma”, concluiu.

Dagoberto disse ainda que a manobra é tentar não votar a PEC que fere a Constituição, pois a maior bancada da Câmara, composta pelos parlamentares do Centrão e muitos dos que apoiam o presidente Bolsonaro está favorável a PEC, portanto é necessário barrar a mesma.

Nesta sexta-feira a PEC caiu da pauta, pois partidos como o PDT e o PSB, se manifestaram contrários a mesma, dessa forma foi montada uma comissão de análise da matéria na Casa de Leis.

COMPARTILHE AGORA MESMO
Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no twitter
COMENTE AGORA MESMO!