Dieta com noz-pecã reduz colesterol, mostra novo estudo

A noz-pecã, originária da América do Norte, reduz níveis de colesterol, descobrem cientistas - Foto: Pixabay

A noz-pecã, originária da América do Norte, reduz níveis de colesterol, descobrem cientistas – Foto: Pixabay

Pesquisadores da Universidade da Geórgia, nos EUA, provaram que uma dieta com noz-pecã reduz os níveis de colesterol.

No estudo, publicado no The Journal of Nutrition, os cientistas descobriram que as propriedades bioativas das sementes são responsáveis pela melhoria.

Originária da América do Norte, a noz pecã é um tipo de fruto com uma casca bastante dura e lisa. A parte comestível é a semente, que é mais comprida que a noz tradicional. O sabor é doce e levemente amanteigado.

“Esta intervenção dietética, quando colocada no contexto de diferentes estudos de intervenção, foi extremamente bem-sucedida”, disse Jamie Cooper, professor do departamento de ciências nutricionais da FACS e um dos autores do estudo.

“Tivemos algumas pessoas que, na verdade, deixaram de ter colesterol alto no início do estudo e saíram dessa categoria após a intervenção.”

A dieta com noz-pecã

O estudo foi conduzido por pesquisadores do UGA College of Family e Ciências do Consumidor.

Os participantes, em risco de doença cardiovascular, comeram as nozes durante uma intervenção de oito semanas e mostraram melhorias significativas no colesterol total, triglicerídeos e lipoproteína de baixa densidade (LDL), ou colesterol “ruim”.

Os pesquisadores viram uma queda média de 5% no colesterol total e entre 6% e 9% no LDL entre os participantes que consumiram nozes.

“A adição de nozes à dieta não apenas produziu uma redução maior e mais consistente no colesterol total e LDL em comparação com muitas outras intervenções no estilo de vida, mas também pode ser uma abordagem mais sustentável para a saúde a longo prazo”, disse Cooper.

“Algumas pesquisas mostram que mesmo uma redução de 1% no LDL está associada a uma pequena redução no risco de doença arterial coronariana, então essas reduções são definitivamente clinicamente significativas”.

Glicose baixou

Em oito semanas, os participantes consumiram uma refeição rica em gordura para determinar as alterações nos lipídios do sangue e na quantidade de glicose, ou açúcar, no sangue.

Os lipídios do sangue em jejum mostraram melhorias semelhantes entre os dois grupos de nozes, enquanto os triglicerídeos pós-refeição foram reduzidos no grupo que adicionou nozes.

A glicose pós-refeição também foi reduzida no grupo que substituiu as pecãs.

“Quer as pessoas os adicionassem ou substituíssem por outros alimentos na dieta, ainda vimos melhorias e respostas bastante semelhantes no colesterol total e no colesterol LDL em particular”, disse Cooper, que também atua como diretor da UGA Obesity Initiative.

A professora Jamie Cooper (à direita), autora do estudo. Foto de Andrew Davis Tucker / UGA
A professora Jamie Cooper (à direita), autora do estudo. Foto de Andrew Davis Tucker / UGA

Por Andréa Fassina SNB com informações do GNN/Universidade da Geórgia

COMPARTILHE AGORA MESMO
Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no twitter
COMENTE AGORA MESMO!