Em carta ao Congresso, Reinaldo Azambuja defende auxílio emergencial de R$ 600


Dezesseis governadores, entre eles o de Mato Grosso do Sul, Reinaldo Azambuja, enviaram uma carta aos presidentes da Câmara, Arthur Lira, e do Senado, Rodrigo Pacheco, defendendo o retorno do auxílio emergencial no valor de R$ 600.

No texto assinado nesta quarta-feira (24), os representantes dos estados pedem que o Congresso Nacional disponibilize os recursos necessários para o auxílio emergencial em níveis que superem os valores anunciados de R$150, R$ 250 e R$ 375.

Eles também querem que o benefício seja pago neste ano com os mesmos critérios utilizados em 2020.

O pedido faz parte da “Campanha Renda Básica que Queremos”, que visa garantir a segurança de renda à população no momento intenso da pandemia de Covid-19 no Brasil, com cenário dramático de quase 300 mil vidas perdidas.

“Diariamente, vemos recorde de mortes, lotação de leitos hospitalares, ameaça de falta de medicamentos e esgotamento das equipes de saúde”, destaca um trecho do documento.

“Agir contra esse cenário requer medidas sanitárias e garantia de uma renda emergencial. Somente com essas medidas seremos capazes de evitar o avanço da morte. Por isso, entendemos que a redução dos valores do auxílio emergencial é inadequada para a eficácia da proteção da população. Enquanto a vacinação não acontecer em massa, precisamos garantir renda para a população mais vulnerável”, revela outra parte da carta.

Além de Reinaldo Azambuja, assinaram o pedido os governadores de Alagoas, Renan Filho; Amapá, Waldez Góes; Bahia, Rui Costa; Ceará, Camilo Santana; Espírito Santo, Renato Casagrande; Maranhão, Flávio Dino; Pará, Helder Barbalho; Paraíba, João Azevêdo; Paraná, Ratinho Junior; Pernambuco, Paulo Câmara; Piauí, Wellington Dias; Rio Grande do Norte, Fátima Bezerra; Rio Grande do Sul, Eduardo Leite; São Paulo, João Dória; e Sergipe, Belivaldo Chagas.

Bruno Chaves, Subcom

Foto: Chico Ribeiro