Governadores de 16 estados assinam carta à Câmara e Senado pedindo volta de R$ 600 no auxílio emergencial

Por G1 MA — São Luís

Governadores de 16 estados assinam carta à Câmara e Senado pedindo volta de R$ 600 no auxílio emergencial — Foto: Reprodução/Twitter

Governadores de 16 estados assinam carta à Câmara e Senado pedindo volta de R$ 600 no auxílio emergencial — Foto: Reprodução/Twitter

Nesta quarta-feira (24), governadores de 16 estados assinaram uma carta aos presidentes da Câmara dos Deputados e ao Senado pedindo a aprovação de um auxílio emergencial no valor de R$ 600, com os mesmos critérios que haviam no ano passado para recebimento do benefício.

Como justificativa, a carta lembra a crise sanitária vivida no país por causa da Covid-19 e a necessidade de um apoio financeiro aos mais pobres. Nessa terça-feira (23), o Brasil bateu novamente o recorde de mortes por Covid-19 confirmadas em 24 horasForam mais de 3 mil em um único dia.

“Temos o cenário dramático de quase 300 mil vidas perdidas. Diariamente, vemos recorde de mortes, lotação de leitos hospitalares, ameaça de falta de medicamentos e esgotamento das equipes de saúde. O calendário nacional de vacinação e a obtenção de novas doses de imunizantes contra a Covid-19 estão mais lentas do que as respostas que precisamos para reverter esse quadro”, diz a carta.

Atualmente, o governo federal avalia a criação do novo auxílio emergencial com mudança nas regras de recebimento e nos valores do benefício. As novas regras estão em uma medida provisória assinada na última quinta-feira (18) pelo presidente Jair Bolsonaro (sem partido). Ela prevê o pagamento de quatro parcelas mensais, até julho.

Pelas novas regras, ficaram estabelecidos pagamentos de R$ 150 para pessoas solteiras, R$ 250 para casais e R$ 375 para mães que sustentam individualmente suas famílias — apenas uma pessoa por família será beneficiada.

Além disso, o auxílio só será pago a famílias com renda total de até três salários mínimos por mês, desde que a renda por pessoa seja inferior a meio salário mínimo. Segundo o governo, o benefício deverá ser pago a 45,6 milhões de famílias.

Para quem está no Bolsa Família, continua valendo a regra do valor mais vantajoso. A pessoa receberá o benefício com maior valor, seja a parcela paga no âmbito do programa, seja o valor do Auxílio Emergencial.

Assinam a carta os governadores:

  • Renan Filho – Governador do Estado de Alagoas
  • Waldez Góes – Governador do Estado do Amapá
  • Rui Costa – Governador do Estado da Bahia
  • Camilo Santana – Governador do Estado do Ceará
  • Renato Casagrande – Governador do Estado do Espírito Santo
  • Flávio Dino – Governador do Estado do Maranhão
  • Reinaldo Azambuja – Governador do Estado de Mato Grosso do Sul
  • Helder Barbalho – Governador do Estado do Pará
  • João Azevêdo – Governador do Estado da Paraíba
  • Ratinho Junior – Governador do Estado do Paraná
  • Paulo Câmara – Governador do Estado de Pernambuco
  • Wellington Dias – Governador do Estado do Piauí
  • Fátima Bezerra – Governadora do Estado do Rio Grande do Norte
  • Eduardo Leite – Governador do Estado do Rio Grande do Sul
  • João Dória – Governador do Estado de São Paulo
  • Belivaldo Chagas – Governador do Estado de Sergipe

Leia na íntegra a carta dos 16 governadores aos presidentes das Câmara dos Deputados e do Senado Federal sobre o valor do auxílio emergencial:

“Os Governadores dos Estados abaixo assinados apoiam a iniciativa das 300 organizações que compõem a “Campanha Renda Básica que Queremos” e solicitam a adoção das providências necessárias para garantir segurança de renda à população, associada às medidas de distanciamento social, essenciais para serem adotadas neste momento de intenso aumento de casos e mortes decorrentes da Covid-19.

Temos o cenário dramático de quase 300 mil vidas perdidas. Diariamente, vemos recorde de mortes, lotação de leitos hospitalares, ameaça de falta de medicamentos e esgotamento das equipes de saúde. O calendário nacional de vacinação e a obtenção de novas doses de imunizantes contra a Covid-19 estão mais lentas do que as respostas que precisamos para reverter esse quadro.

Agir contra esse cenário requer medidas sanitárias e garantia de uma renda emergencial. Somente com essas medidas seremos capazes de evitar o avanço da morte. Por isso, entendemos que a redução dos valores do auxílio emergencial é inadequada para a eficácia da proteção da população. Enquanto a vacinação não acontecer em massa, precisamos garantir renda para a população mais vulnerável.

Por isso, solicitamos ao Congresso Nacional que disponibilize os recursos necessários para o Auxílio Emergencial em níveis que superem os valores noticiados de R$ 150,00, R$ 250,00 e R$ 375,00.

Exatamente há um ano, no início da pandemia, os Governadores manifestaram-se favoráveis à implantação de uma renda básica no País. Hoje, mais do que nunca, é comprovada a sua necessidade, urgência e o impacto que se pode alcançar. Por isso, neste momento, defendemos auxílio emergencial de R$ 600,00, com os mesmos critérios de acesso de 2020.

Não obstante o exposto acima, os signatários desta carta entendem a importância de o País não se desviar de seu compromisso com a responsabilidade fiscal. É importante entender o esforço de mitigação da crise atual para os mais vulneráveis como extraordinário e temporário. Logo à frente precisaremos voltar a uma trajetória de ajustamento fiscal que compatibilize os necessários programas sociais com um financiamento responsável dos mesmos.

Brasília, 24 de março de 2021.”

COMPARTILHE AGORA MESMO
Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no twitter
COMENTE AGORA MESMO!