Pantanal registra 301 focos de calor nos primeiros 15 dias de fevereiro; mais de 50% em MS, aponta instituto

Por José Câmara, G1 MS

Representação dos pontos de calor no Pantanal captados por satélites  — Foto: IHP/Divulgação

Representação dos pontos de calor no Pantanal captados por satélites — Foto: IHP/Divulgação

O Pantanal registrou 301 focos de calor somente nos primeiros 15 dias de fevereiro, de acordo com o Instituto Homem Pantaneiro (IHP). No Pantanal sul-mato-grossense foram registrados 161 focos de calor, o que representa 53% do total.

No Pantanal de Mato Grosso, estado vizinho, foram detectados 140 pontos de calor. Os números de 2021 são menores do que os registrados em 2020. No ano passado, no mesmo período, foram registrados 727 focos de calor, 424 em MT e 303 em MS. Se comparados os números dos dois anos, houve uma queda de 58% nos pontos de calor em 2021.

O número é menor, porém a preocupação com o bioma persiste. Os focos de calor são pontos que podem se tornar um foco de fogo ou até mesmo um grande incêndio. De acordo com o IHP, foram detectados pontos de calor em quatro municípios do estado – Aquidauana, Corumbá, Porto Murtinho e Rio Verde de Mato Grosso do Sul.

Os especialistas do IHP explicam que os focos de calor não são o incêndio propriamente dito, mas indicam a possibilidade de fogo.

“É um dado capturado pelos satélites de monitoramento que estão a uma altitude de 700 a 900 km sobre o planeta. Os sensores do satélite registram temperaturas acima de 47°C, indica a possibilidade de fogo em um elemento de resolução da imagem”, o instituto destacou a explicação em nota.

De acordo com o IHP, monitorar estes focos de calor demostra uma atitude de prevenção. Com as pesquisas, eles conseguem estimar as possíveis áreas de atenção e direcionar o combate ao fogo de forma mais rápida e eficiente.

“Monitoramos a ocorrência de focos de calor (indicativos de queimadas) dentro das áreas da Rede de Proteção e Conservação da Serra do Amolar e áreas do entorno. Através desse monitoramento, é possível estimar áreas de atenção e direcionar as equipes de campo (Brigadas) para combate ao fogo”, em nota, o instituto faz o alerta e explica a necessidade de atuar no combate ao fogo desde os focos de calor.

COMPARTILHE AGORA MESMO
Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no twitter
COMENTE AGORA MESMO!