Seca extrema coloca rios de MS em níveis não registrados há 50 anos

Por Luana Ribeiro, G1 MS

Na região do Forte Coimbra, que deveria estar alagada, só se vê areia. — Foto: Lucas Lélis/Arquivo pessoal

Na região do Forte Coimbra, que deveria estar alagada, só se vê areia. — Foto: Lucas Lélis/Arquivo pessoal

A seca extrema coloca rios de Mato Grosso do Sul em um ambiente crítico. O que já foi visto no passado, se repete agora. Conforme Marcelo Parente Henriques, pesquisador do Serviço Geológico do Brasil, desde 2019 os dados das estações de monitoramento mostram uma queda acentuada no volume de chuvas e, consequentemente, no nível dos rios.

O cenário remonta cena histórica de 1973. O jornal impresso da época trouxe como destaque na capa a notícia: “o Pantanal está secando” (veja imagem abaixo). O texto explica que “em algumas fazendas, a água que deveria ser dominante na região chega a escassear e os fazendeiros são obrigados a recorrer a poços artesianos”. Um período de seca extrema, considerado histórico pelos pesquisadores, diante da falta de chuvas e do nível do Rio Paraguai.

Jornal da época mostrava preocupação com Pantanal seco. — Foto: O estado de Mato Grosso/Arquivo histórico

Jornal da época mostrava preocupação com Pantanal seco. — Foto: O estado de Mato Grosso/Arquivo histórico

Em Cáceres (MT), o valor do nível d’ água registrado na estação fluviométrica foi de 0,36 centímetros, apesar de ter apresentado uma pequena elevação, permanece atingindo os menores valores mínimos já observados para esse período do ano.

Em Bela Vista do Norte – MT (276 centímetros), Ladário – MS ( zero centímetros), Forte Coimbra – MS (- 111 centímetros) e Porto Murtinho – MS (124 centímetros), o nível d’ água continua permanecendo na zona de atenção para mínimas.

Régua de Ladário chegou a zero centímetros. — Foto: Lucas Lélis/Arquivo pessoal

Régua de Ladário chegou a zero centímetros. — Foto: Lucas Lélis/Arquivo pessoal

“Estamos diante de um fenômeno climático, cíclico. Tem relação com as mudanças climáticas, tem. Mas não podemos atribuir somente a isso. É uma situação muito crítica e preocupante”, explica Parente.

O boletim diário da sala de situação do Instituto do Meio Ambiente de Mato Grosso do Sul (Imasul) confirma o alerta e mostra que outras regiões estão enfrentando a mesma situação. No Rio Paraguai, por exemplo, além de Ladário, a régua de Porto Esperança também registra níveis abaixo de zero (-105 centímetros). No rio Aquidauana, a cota, que para ser considerada normal fica em 600 centímetros, está em 169 cm.

A situação também é grave no Rio Aporé, em Cassilândia ( 86 centímetros), e em Rio Pardo, na estação da Fazenda Buriti (290 centímetros). Já no Rio Piquiri, o nível registrado na estação Pousada Taiamã atingiu a mínima histórica de 192 centímetros em 13 de setembro de 2021. Até então, a mínima era de 222 cm registrada em outubro do ano passado. Dados da série histórica desde 1996.

“Nós temos um efeito dominó em várias cidades que estão na mesma grande bacia hidrográfica e expostas ao mesmo fenômeno climático. O impacto disso é que você começa a ter dessedentação animal, dificuldade de captar água para abastecimento público e, principalmente, inviabilidade de navegação para escoamento e transporte de produção”, revela Parente.

COMPARTILHE AGORA MESMO
Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no twitter
COMENTE AGORA MESMO!