Somente em 2020, contrabando de cigarro causou prejuízo de R$ 272 milhões a MS em imposto não arrecadado

Por Marta Ferreira, G1MS

Carreta carregada com cigarros apreendida em MS em 2020 — Foto: PRF/Divulgação

Carreta carregada com cigarros apreendida em MS em 2020 — Foto: PRF/Divulgação

Somente em 2020 o contrabando de cigarro causou um prejuízo de R$ 272 milhões a Mato Grosso do Sul em Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) que deixou de ser arrecadado. O cálculo é de levantamento do Ibope/Ipec divulgado nesta quarta-feira (25).

Segundo o estudo, 88% dos materiais apreendidos no estado no ano passado foram cigarros. Frente a 2019, houve um aumento de 17% nas ocorrências. Foram mais de 56,8 milhões de maços de cigarros apreendidos, conforme o Ibope/Ipec.

“Com mais de 1,5 mil quilômetros de fronteiras, sendo a maior parte com o Paraguai, o Mato Grosso do Sul tem o seu mercado de cigarros abastecido principalmente com o contrabando do país vizinho, responsável por 84% das vendas de cigarro no Estado”, define o instituto.

 

Outros 2% dos produtos, revela o trabalho, são fornecidos por fabricantes nacionais que sonegam impostos e classificados de “devedores contumazes”.

A movimentação calculada com o produto ilegal chega a R$ 710 milhões no estado, dos quais R$ 272 milhões se devem apenas ao ICMS não arrecadado. O tributo é uma das principais fontes de receitas do estado.

Pesquisa nacional mostra que negócio ilegal movimentou mais de R$ 710 milhões no Estado em 2020. — Foto:  Ibope/Ipec

Pesquisa nacional mostra que negócio ilegal movimentou mais de R$ 710 milhões no Estado em 2020. — Foto: Ibope/Ipec

COMPARTILHE AGORA MESMO
Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no twitter
COMENTE AGORA MESMO!