Testemunhas que viram morte de esposa com 17 tiros dizem que não era comum ver brigas entre o casal

Por Graziela Rezende, G1 MS

Eliane Siolim foi morta com diversos tiros — Foto: Redes Sociais

Eliane Siolim foi morta com diversos tiros — Foto: Redes Sociais

A polícia recebeu laudo preliminar da perícia, o qual aponta feminicídio no caso de Eliane Ferreira Siolim, de 34 anos, morta com 17 tiros pelo marido durante um churrasco, há dois dias, em Ponta Porã, região sul do estado. O caso foi encaminhado para a Delegacia de Atendimento à Mulher (DAM) do município.

Na ocasião do flagrante, o delegado Alcides Braun conversou com testemunhas que estavam no churrasco. Elas disseram que não presenciaram briga alguma na ocasião, sendo que isso também era “algo incomum” entre o casal. Mas, perceberam o momento em que o casal se distanciou e então ouviram os disparos da arma de fogo.

Ainda conforme a polícia, em um primeiro momento a informação é que a filha em comum do casal teria presenciado o crime. No entanto, inicialmente as testemunhas disseram que “a menina deixou o local pouco antes” dos fatos.

A arma de fogo de onde saíram os tiros que mataram o casal foi apreendida, assim como as munições deflagradas e um carregador sobressaliente municiado.

Entenda o caso

Um homem de 41 anos é suspeito de matar a esposa com 17 tiros e depois cometer suicídio, na noite do último domingo (24), durante uma confraternização familiar, no distrito Nova Itamarati, em Ponta Porã.

Segundo informações do boletim de ocorrência, os corpos de Alejandro Antônio Aguilera, de 41 anos, e da esposa dele estavam na varanda dos fundos da casa do sítio onde acontecia a festa.

Eliane foi atingida por 17 tiros de calibre 9 milímetros e ainda teve o braço direito aparentemente quebrado. Já Antônio teria se matado com um tiro na cabeça, conforme aponta o ferimento dele e a munição encontrada ao lado dele.

O caso inicialmente foi registrado pela Polícia Civil como morte a esclarecer.

Eliane Siolin fazia sucesso na rede social Tik Tok